29 de abr de 2010

Projeto Brasil

Leia, na íntegra, as resoluções do Projeto Brasil, aprovada pela UNE no CONEG.

27 de abr de 2010

CONEG: Reforma política

Na mesa de Reforma política, democracia e protagonismo popular do CONEG, no dia 25, o caloroso debate teve participação de:

José Eduardo Dutra, Presidente do Partido dos Trabalhadores (PT);
Walter Sorrentino, representante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB);
Brizola Neto, representante do Partido Democrático Trabalhista (PDT);
Sérgio Torres, direção nacional do Partido Pátria Livre (PPL) ; e
Vitor Madeira, do comitê central do Partido Comunista Revolucionário (PCR).

Matéria de Débora Almeida, do Rio de Janeiro:


O tema "Reforma Política, Democracia e Protagonismo Popular" esquentou os ânimos das lideranças estudantis presentes no debate de sábado, dia 24. No auditório lotado, os representantes universitários ouviram as contribuições dos dirigentes do PT, PcdoB, PDT, PCR e PPL sobre a necessidade de mudanças no sistema eleitoral do país.


O tom das intervenções e a intensa participação dos estudantes provaram que a polêmica em torno da UNE apoiar uma candidatura causaria ebulições na plenária final do CONEG. Coros de apoio a Dilma Roussef e exaltando a união do Movimento Estudantil ecoaram no plenário em muitos momentos do debate.


O deputado federal e representante do PDT, Brizola Neto, abriu os trabalhos lembrando que um dos desafios para se fazer uma reforma no sistema eleitoral do país é a interferência dos conglomerados midiáticos no debate político. Ele ressaltou que seu avô, Leonel Brizola, já travava a luta com a imprensa há décadas. Para Brizola Neto, só o investimento em educação possibilitará a formação de cidadãos críticos. “É preciso fazer um SUS da educação”, sugeriu.


Depois de traçar um breve histórico da conjuntura política do país, o membro do cômite central do Partido Comunista Revolucionário (PCR), Victor Madeira, não se ateve a questões paliativas. Ele hasteou a bandeira do socialismo na defesa de uma reforma política.


Um ponto abordado pelo secretário nacional de organização do PCdoB, Walter Sorrentino, foi a necessidade de construção de uma reforma política democrática. Dirigente de um partido que viveu 50 de seus 80 anos na ilegalidade, Sorretino afirmou que a democracia se aprofundou no governo Lula. “O nosso desafio é construir um pluripartidalismo democrático. Precisamos construir um sistema que incorpore todos os partidos, inclusive as minorias. Cláusula de barreira é anti-democratica. Se existisse, o povo brasileiro não teria eleito um presidente do PT. Porque o PT já foi pequeno um dia”, afirmo ele, que defendeu também o financiamento público de campanha.


O membro da direção nacional do Partido Pátria Livre (PPL), Irapuan Santos, acredita que o processo eleitoral é fruto de uma correlação de forças e que precisamos forjar essa correlação em 2010. Irapuan disse que o financiamento público das campanhas evitaria as cobranças dos 'patrocinadores' depois das eleições. Para ele, a corrupção é inerente ao capitalismo.


Foi enaltecendo a história de lutas da UNE que o presidente do PT, José Eduardo Dutra, encontrou argumentos para se posicionar sobre a maior polêmica do CONEG. “Não há uma luta por democracia na história deste país sem a bandeira da UNE. Eu perdi o poder de voto há 30 anos, mas, conhecendo sua história, acredito que a entidade deveria se manter plural”

Com dois exemplos práticos, Dutra contou que Dilma Roussef começou a enfrentar a cobertura imparcial da mídia antes de se tornar candidata. Além da democratização da mídia, o presidente do PT apontou que a pressão externa é crucial para a construção de uma reforma política.


A presidente da UEE-AM, Maria das Neves, e o secretário geral da UNE, Antônio Silva, mediaram o debate. Os estudantes deixaram o auditório sob o coro A UNE somos nós, nossa força e nossa voz”, um grito histórico da entidade.


Fotos, por Anne Galvão:


Vitor Madeira reivindica o socilismo


Vitor Madeira, do comitê central do Partido Comunista Revolucionário (PCR)


Walter Sorrentino, representante do Partido Comunista do Brasil (PCdoB)


Debate sobre a reforma política no Brasil


Brizola Neto, representante do Partido Democrático Trabalhista (PDT)


José Eduardo Dutra, Presidente do Partido dos Trabalhadores (PT)


Sérgio Torres, direção nacional do Partido Pátria Livre (PPL)

Estudantes concentrados no debate

Jornal anônimo incita violência contra homossexuais na USP

Um jornal dos alunos da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP causou repúdio no meio estudantil e acadêmico ao realizar uma promoção polêmica. "O Parasita" oferece um convite a uma "festa brega" aos estudantes do curso que, em troca, jogarem fezes em um gay. A Defensoria Pública do Estado de São Paulo teve conhecimento do texto (leia-o na íntegra abaixo) e informou nesta sexta-feira (23) à noite que irá denunciar o periódico semestral por homofobia à Comissão Processante Especial da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.

Além disso, a Coordenadoria de Políticas Públicas para a Diversidade Sexual afirmou que irá registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil contra o jornal por crime de injúria e incitação à violência.

O texto abaixo foi extraído de "O Parasita" de abril e maio deste ano. O periódico de seis páginas exibe na sua página 2 um discurso contra dois gays que se beijaram numa festa da Faculdade de Medicina Veterinária em outubro de 2008. Na época, o casal, que estudava Letras, havia sido expulso da festa por estar se beijando. Ambos registraram boletim de ocorrência contra o Centro Acadêmico de Veterinária por constrangimento ilegal e lesão corporal. O G1 não conseguiu localizá-los nesta sexta para comentar o assunto de terem sido citados no jornal dos estudantes de Farmácia.

"Lançe-merdas e Brega será na Faixa - Ultimamente nossa gloriosa faculdade vem sendo palco de cenas totalmente inadmissíveis. Ano passado, tivemos o famoso episódio em que 2 viadinhos trocaram beijos em uma festa no porão de med. Como se já não bastasse, um deles trajava uma camiseta da Atlética. Porra, manchar o nome de uma instituição da nossa faculdade em teritório dos medicus não pode ser tolerado. Na última festa dos bixos, os mesmos viadinhos citados acima, aprontaram uma pior ainda. Os seres se trancaram em uma cabine do banheiro, enquanto se ouviam dizeres do tipo "Aí, tira a mão daí." Se as coisas continuarem assim, nossa faculdade vai virar uma ECA. Para retornar a ordem na nossa querida Farmácia, O Parasita lança um desafio, jogue merda em um viado, que você receberá, totalmente grátis, um convite de luxo para a Festa Brega 2010. Contamos com a colaboração de todos. Joãozinho Zé-Ruela"

Outro lado

O autor do texto acima, "Joãozinho Zé-Ruela", aparece como editor de eventos. O G1 não conseguiu localizar os responsáveis pelo jornal para comentar o assunto. Nove nomes aparecem no expediente de "O Periódico". A reportagem também ligou para um dos colaboradores, deixou recado, mas até a publicação da matéria não havia recebido retorno.

Estudantes da faculdade ouvidos pelo G1 confirmaram que a publicação é feita por alunos da Farmácia. Entretanto, segundo eles, o jornal não é ligado a nenhuma entidade estudantil oficial. O texto chegou ao conhecimento de alunos de outras faculdades da USP nesta sexta pela internet. Muitos criticavam o conteúdo e a incitação homofóbica. Segundo um dos alunos de ciências farmacêuticas, "Muitas [pessoas reagem] com raiva, outras com descaso e algumas acham um jornal 'legal'."


Homofobia
De acordo com a defensora Maíra Diniz, coordenadora do núcleo de combate à discriminação, racismo e preconceito, "O Parasita" infringiu a Lei Estadual 10.948 que trata do combate à homofobia.


"É uma coisa horrível. Eu fui surpreendida de ver que estudantes de farmácia, que têm obrigação de esclarecer o público, pensam dessa maneira. Não é só uma mera opinião, isso configura homofobia", afirmou a defensora Maíra na tarde desta sexta. "Vamos apurar quem é o responsável pelo jornal, inclusive oficiando a faculdade. Vamos oferecer denúncia na comissão processante com base na lei estadual de homofobia."


O G1 também tentou entrar em contato com o centro acadêmico de Farmácia da USP, mas não localizou ninguém.

Segundo Maíra, os responsáveis pelo jornal serão julgados por uma comissão, que irá apurar se eles cometeram homofobia. "Homofobia não é crime, por isso é apurado por essa comissão. É um processo administrativo que pode render uma advertência ou uma multa mínima, no valor de R$ 15 mil, se os acusados forem considerados culpados", disse a defensora. O valor é destinado para fundos de políticas para diversidade sexual.


Caso de polícia
O advogado Dimitri Sales, coordenador para Políticas de Diversidade Sexual do Estado de São Paulo, afirmou nesta sexta que irá levar o caso até à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), onde pretende registrar queixa contra o jornal.


"A homofobia é a aversão e ódio às pessoas que têm orientação sexual diversa da heterossexual, mas no caso deste jornal, se enquadra também na injúria. É lamentável que alunos de uma instituição, como esta da USP, colocam isso. Essa postura desse jornal é repudiada de forma veemente. Tem de ser praticada uma pena dura. Eles desconsideram duas coisas. A primeira é que reafirmam a postura da discriminação contra o casal que se beijou na festa da medicina veterinária. Ou seja, legitima algo que já foi repudiado antes. A segunda é mandar estudantes agredir gays. Essas coisas agora vão virar crimes de injúria e incitação à violência", afirmou o coordenador Dimitri Sales.


Ainda, segundo Dimitri, se a citada "festa brega" realmente tiver uma data para ocorrer, a coordenadoria fará o possível para que ela seja cancelada. "Ainda não sei se essa festa é uma piada ou se realmente ocorrerá. Mas se ocorrer, vamos tomar alguma medida jurídica para impedir a realização dessa festa porque ela estaria se baseando num conceito homofóbico", disse.


Reprimir
O G1 procurou a Universidade de São Paulo para comentar o assunto. A assessoria da USP informou que somente a diretoria de farmácia poderia comentar o assunto.


Procurada, a faculdade informou: "A Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) não tem conhecimento nem apóia essa publicação, inclusive desconhece os seus autores. A Faculdade tomará as medidas jurídicas cabíveis para reprimir este tipo de publicação", em nota enviada por e-mail por sua assessoria de imprensa.


Fonte: G1 SP

26 de abr de 2010

UNE mantém independência

A UNE decidiu em votação que marcou o final do 58º Conselho Nacional de Entidades Gerais que se manterá independente e não apoiará candidato nas eleições para a Presidência da República.

A decisão, afirmou Augusto Chagas, presidente da entidade, foi tomada em nome da unidade do grupo. "Quem deve ter candidatos numa disputa eleitoral são os partidos políticos. A UNE deve contribuir com aquilo que há de mais valioso na nossa trajetória, que são as propostas”, afirmou. E lembrou que os estudantes não ficarão de fora. “Nós vamos lutar para que o Brasil não retroceda a determinadas políticas que, na nossa opinião, são negativas".

                                                                                                                                       Fonte: UNE

Nota do estudante que prestigiou o 58º Coneg da UNE
Em um congresso comum não se espera nada além de palestrantes transmitindo seus conhecimentos para uma platéia serena, para não dizer monótona. Já em um congresso da UNE, palestrantes transmitem seus conhecimentos para uma platéia com um enorme senso crítico, aguardando a chance de expressá-lo.

É muito gratificante ver temáticas de relevância nacional - o Pré-Sal, a rede pública de ensino, o ensino privado, mulheres na política, reforma política, esporte, o SUS, a sustentabilidade ambiental, bem, todas - sendo esclarecidas por nomes como o de Emir Sader, José Eduardo Dutra, Altamiro Borges, Tereza Cruvinel, dentre outros intelectuais, para que nós estudantes possamos debatê-las, buscando soluções e criando propostas para a melhoria deste país.

Apesar de não termos conseguido a participação de um delegado que representasse a opinião da faculdade, nós, alunos da ESAMC Santos, que prestigiamos o evento devido ao apóio desta na figura da diretora Carlota Moura e do diretor Pedro Smolka, ficamos muito satisfeitos com as propostas que serão defendidas pela UNE e principalmente por saber que os jovens que se importam com o Brasil, que não são alienados e simples massa de manobra, mas sim cabeças pensantes que cuidarão do futuro do nosso país.

Por: Gabriel Hidd  é estudante da ESAMC (Universidade da baixada santista)



58º CONEG da UNE: rede pública de ensino superior no Brasil

Por Sandra Cruz, assessora de imprensa da UNE


A rede pública de ensino superior no Brasil, no que se refere ao financiamento e à expansão, foi o tema discutido em uma das mesas de debate realizadas na tarde desta quinta-feira, 22, como parte da programação do 58º CONEG da UNE, Conselho Nacional de Entidades Gerais da entidade que acontece até dia 25, no Rio de Janeiro.

O evento contou com a participação de Gustavo Henrique de Sousa Balduino, secretário Executivo da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES), Paulo Rubem Santiago, deputado federal (PDT-PE) e vice-presidente da comissão de educação da Câmara, e Maria Paula Dallari Bucci, secretária de Ensino Superior Ministério da Educação (MEC), com mediação de Tiago Ventura, vice-presidente da UNE e Sandino Patriota, primeiro vice-presidente da entidade.

Os participantes conseguiram “provocar” e chamar para o debate os estudantes na platéia, tratando sobre a situação atual da universidade pública, o porquê da falta de recursos, a ampliação do número de vagas nos últimos anos, EAD (ensino a distância) e o REUNI (programa de apoio do governo ao plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais), que também foi amplamente discutido.

O deputado Paulo Rubem Santiago enumerou dados econômicos do país nas últimas décadas, e qual é a conseqüência nos dias de hoje: a incapacidade de cumprir nos últimos anos, sequer as metas aprovadas no Plano Nacional de Educação, tais como 30% da população de 18 a 24 anos no ensino superior. “É cínico dizer que não cumprimos o PNE pela falta de recursos. Nosso problema é que os interesses financeiros em todo o mundo tomaram de assalto as finanças no Brasil”, comentou, mencionando os absurdos juros que vêm sendo pagos da dívida pública. “O que nos falta hoje? É a correlação de forças, que não privilegie a acumulação de recursos”, disse, afirmando que as metas do PNE não foram atingidas porque o financiamento da educação foi submetido ao financiamento da acumulação financeira.

A secretária do MEC trouxe informações sobre a o ensino no Brasil, considerando perspectivas para 2011 a 2020, especialmente o acesso e transparência das avaliações. Defendeu o Sisu (Sistema de Seleção Unificada do MEC), como método justo de distribuição de vagas, e o ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) que integra o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Comentou também um dos desafios da educação hoje, que é qualificar os jovens para o mercado de trabalho. “A sociedade muda, e os cursos também precisam se atualizar”, disse Maria Paula Dallari Bucci, afirmando que é preciso ter em mente que educação é política para os próximos 10 anos.

Gustavo Balduino, da ANDIFES, apontou no final que é preciso entrar na pauta a valorização do ensino médio, acesso e permanência com qualidade. Assim fará sentido a universalização do ensino fundamental e os debates em torno do ensino superior. “Estamos no melhor mundo? Não, mas estamos num mundo melhor”, concluiu.



24 de abr de 2010

CONEG: Projeto Nacional

Os palestrantes que estiveram presentes na mesa "Um projeto nacional de desenvolvimento popular, democrático e soberano para o Brasil", foram:

Emir Sader, pesquisador do Laboratório de Políticas Públicas da UERJ;
Pedro Paulo Vieira de Carvalho, Intersindical;
Sônia Coelho, Marcha Mundial de Mulheres;
Wagner Gomes, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB);
Representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST); e
Representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT);
Representante da Fundação Manuel Lisboa.

Aguardem o vídeo da UEE-SP com os depoimentos!

Emir Sader, pesquisador do Laboratório de Políticas Públicas da UERJ


Emir Sader fala ao público


Representante do
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST)




Sônia Coelho, representante da Marcha Mundial de Mulheres


Pedro Paulo Vieira de Carvalho, representante da Intersindical


Representante da Fundação Manuel Lisboa


Representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT)


Carlos Siqueira, presidente da UEE-SP, assistindo ao debate


Presidente da UEE-SP fazendo sua intervenção e enriquecendo o debate.


estudante debatendo


estudante debatendo

Caravana da UEE-SP para o CONEG da UNE

Na noite de quinta-feira (22), a UEE-SP e estudantes convidados se reuniram na sede da UNE, no bairro da Vila Mariana de São Paulo, com energia para viajar ao Rio de Janeiro e participar do 58º Conselho Nacional das Entidades Gerais (CONEG), que acontece neste momento na UFRJ.


Estudantes aguardando pela chegada dos ônibus locados pela UEE-SP


Carlos Siqueira, presidente da UEE-SP, orientando os estudantes abordo


Estudantes cansadinhos, na estrada


Pessoal de diversas partes do País chegando à UFRJ


Plenária da UEE-SP fazendo esclarecimentos aos estudantes convidados

Carlos se pronunciando à galera


Estudantes paulistas


Malas dos universitários participantes do CONEG

CONEG: Por uma política democrática de comunicação para o Brasil

Ao meio-dia de sexta-feira (23), aconteceu uma das principais mesas de debate da 58º Conferência Nacional das Entidades Gerais (CONEG), a de democratização da imprensa brasileira.

Os convidados, mediados pelos presidente e vice-presidente da UNE, Augusto Chagas e Tiago Ventura, foram:

Altamiro Borges, jornalista do Portal Vermelho;
Renato Rovai, jornalista Revista Fórum;
Regina Lima, presidente da Associação Brasileira de Emissoras Públicas Educativas e Culturais;
Tereza Cruvinel, Presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC); e
Arthur William, representante do Intervozes.


Confira a matéria de Sandra Cruz, assessora de comunicação da UNE:

Na mesa de discussão estavam Arthur William, do Intervozes, Tereza Cruvinel, presidente da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC). Regina Lima, presidente da Associação Brasileira de Emissoras Públicas Educativas e Culturais (ABEPEC), Renato Rovai, editor da Revista Fórum e Altamiro Borges, jornalista do Portal Vermelho. Contou com a participação ainda de Gabriela, do jornal A Verdade. Tiago Ventura e Augusto Chagas, presidente e vice-presidente da UNE mediaram as intervenções.


Os estudantes que lotaram o auditório do prédio da reitoria da UFRJ ouviram e discutiram com os convidados o papel da mídia e como ela se comporta hoje; os canais de comunicação alternativos, sua importância, a batalha que rádios e TVs comunitárias travam para conquistar mais espaço por conta dos entraves burocráticos existentes; a regulamentação dos meios de radiodifusão, as novas tecnologias e, entre outros temas polêmicos, o poder da mídia na disputa eleitoral deste ano.

Altamiro Borges ressaltou que a capacidade de interferência dos grandes veículos de comunicação na opinião pública é imensa, “a mídia será um instrumento importante de batalha nesse ano eleitoral”, afirmou, defendendo que um desafio da comunicação é estimular o senso crítico do público.


A capacidade de escolher conteúdos, discordar e formar opiniões a partir das próprias experiências faz mesmo a diferença quando vivemos nessa era da informação. “Hoje, todos podemos ser comunicadores, nessa comunicação em rede”, exemplificou Rovai, contando a história da chegada da internet no Brasil, e o quanto ela tem mudado nossas vidas, contribuindo para a notoriedade e reputação das pessoas que passam a ser imediatamente conhecidas quando lançadas ‘na rede’. “Ter os modelos público e privado de comunicação é fundamental para a democracia”, disse, sendo importante lembrar, ressaltou, que vinda do latim, a palavra “comunicação” tem o sentido de partilha. “É nessa comunicação que acredito e defendo que a comunicação pública vai contribuir”.


Tereza Cruvinel, ex-jornalista de O Globo, contou sua luta desde que “saiu de uma posição confortável e aceitou o convite de Lula” para construir a EBC. “Temos clareza de que fazemos história e estamos mudando o patamar das comunicações no Brasil”, declarou a presidente da Empresa Brasil de Comunicação. Adepta às novas tecnologias, elencou as vantagens que elas devem trazer à comunicação pública. “A TV não é mais a mesma. As mídias devem convergir e ser tecnologia de ponta. Nosso olhar tem que ser para o digital, pois a comunicação só será equilibrada nesse sistema”. Para a jornalista, o movimento estudantil deve agregar como suas bandeiras no Projeto Brasil: a defesa do plano nacional de banda larga; o compromisso de manutenção da EBC com marco regulatório e a implementação das propostas da Confecom (Conferência Nacional de Comunicação). “Pensemos a comunicação como um item de consolidação da democracia”, recomendou.


Digitalização também foi abordada por Arthur William, do coletivo de comunicação Intervozes, que mencionou o rádio como emissor. “O debate das rádios digitais está aí e os estudantes podem e devem participar”, provocou. Em sua fala, William explicou os difíceis e burocráticos processos que estão por trás da iniciativa de se criar uma emissora – TV ou rádio – comunitária, contou ainda o histórico da TV no Brasil, cuja regulamentação está extremamente ultrapassada – datada dos anos 60 -. “O ano de eleição é momento de se debater a comunicação”, opinou.


Esse 2010 será de grandes desafios para os defensores de uma comunicação livre e democrática, antecipou Regina Lima, da ABEPEC. “O momento não é fácil para que essa discussão entre na pauta. Mas estou feliz de estar aqui e ver que os jovens estão atentos”, comentou a professora da UFPA que é também presidente da TV Cultura do Pará, emissora pública que enfrentou disputas com emissoras cuja principal preocupação nunca foi educar ou formar. E esse seria sim papel da mídia, a formação de cidadãos críticos.


“É seu papel a formação e informação das pessoas na disputa ideológica”, alertou Altamiro Borges, lamentando que o perfil da mídia seja feudal e que exista ainda a propriedade cruzada nesse meio (o principal rádio, jornal e TV são de um mesmo dono na cidade/estado/região). “Há país em que isso é proibido. Essa é uma questão que nunca foi regulamentada aqui. No Brasil, confunde-se ‘liberdade de imprensa’ com ‘liberdade de empresa’”, desabafou e comemorou a iniciativa da UNE em promover o fórum de debates. “o 58º CONEG pode ser histórico nesse ano eleitoral”, declarou esperançoso.


Fotos, por Anne Galvão:


Debate acerca de uma política democrática de comunicação


Tereza Cruvinel, presidente da Empresa Brasileira de Comunicação


Renato Rovai, jornalista Revista Fórum


Altamiro Borges, jornalista do Portal Vermelho


Debate


Arthur William, representante do Intervozes


Regina Lima, presidente da Associação Brasileira de Emissoras Públicas Educativas e Culturais;


Representante do Jornal A Verdade

Programação do 58º CONEG da UNE

Conselho Nacional de Entidades Gerais da UNE

Centro de Tecnologia – UFRJ/Fundão Rio de Janeiro

22 a 25 de abril de 2010


Mesa 1 – Por uma nova lei do petróleo no Brasil: 50% do fundo social do pré-sal para a educação

  • Augusto Chagas – Presidente da União Nacional dos Estudantes - UNE
  • Fernando Leite Siqueira – Presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobrás - AEPET
  • Alan Kardec Martins Barbiero – Presidente da Associação dos Dirigentes de Instituições de Ensino Superior - ANDIFES
  • Mauricio Fabião – Coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação
  • Abílio Tozini – Diretor da Federação Única dos Petroleiros - FUP
  • Waldyr Gallo – Assessor da Diretoria Geral da Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP
  • Yann Evannovick – Presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas - UBES
  • Elizangela Lizardo – Presidente da Associação Nacional dos Pós Graduandos - ANPG
  • José Carlos Padilha – Diretor Executivo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino - CONTEE

Quinta, 22 de abril – 14:00 h

Mesa 2 – Financiamento e expansão da rede pública de ensino superior

  • Paulo Rubem Santiago - Deputado Federal PDT/PE
  • Gustavo Henrique de Sousa Balduino - Secretário Executivo da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior - ANDIFES
  • Hamilton Garcia – Professor e pesquisador do LESCE/UENF
  • Fernando Amorim – Professor e pesquisador da COPPE/UFRJ
  • Maria Paula Dallari Bucci – Secretária de Ensino Superior Ministério da Educação - MEC

Mesa 3 – A Universidade estratégica e a integração regional

  • Dilvo Ristoff - Reitor Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Norma Cooper – Adida Cultural da Embaixada do Haiti no Brasil
  • Fernando Sosa – Associação de Universidades Grupo Montevidéo
  • Dep. José Paulo Toffano – Deputado Federal PV/SP e Presidente do Parlasul

Mesa 4 - Extensão, mobilidade acadêmica, interdisciplinaridade e inovações curriculares

  • Plínio Táboas – Pró-reitor de extensão da Universidade Federal do ABC - UFABC
  • Laura Tavares – Pró-reitora de extensão da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
  • José Weber Freire Macedo – Reitor da Universidade do Vale do São Francisco - UNIVASF
  • Coronel Victorio – Coordenação do Projeto Rondon
  • Frederico Arruda – Pró-reitor de Extensão da Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Mesa 5 – Gestão democrática e participação

  • Roberto Guido – Associação dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo - APEOESP
  • Ana Maria Ribeiro – Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Públicas Brasileiras - Fasubra
  • José Carlos Padilha – Diretor Executivo da Confederação Nacional dos trabalhadores em estabelecimentos de ensino - CONTEE

Mesa 6 – Democratização do acesso, assistência estudantil, ações afirmativas e cotas raciais

  • Frei David de Santos – Fundador da Educafro
  • Joaquim José Soares Neto – Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP
  • Yann Evanovick – Presidente da União Brasileira dos Estudantes - UBES
  • Belkis Valdman – Pró-Reitora de Graduação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
  • Rosana Cristina Parente – Pró - Reitora de Assuntos Comunitários da Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Quinta, 22 de abril – 17:00 h

Mesa 7 – Mais mulheres na política e mais políticas para mulheres

  • Elisabeth Pereira– Diretora de Programa da Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas do Ministério de Políticas para Mulheres
  • Louise Caroline – Secretária de Políticas para Mulheres da Prefeitura de Caruaru-PE
  • Camila Marcarini - Marcha Mundial de Mulheres - MMM
  • Helena Piragibe – União Brasileira de Mulheres - UBM

GDs – Frentes de luta, áreas de interesse

Sexta, 23 de abril – 10:00 h

Mesa 8 – Por uma política democrática de comunicação para o Brasil

· Altamiro Borges – Jornalista Portal Vermelho

· Renato Rovai – Jornalista Revista Fórum

· Regina Lima – Presidente da Associação Brasileira de Emissoras Públicas Educativas e Culturais

· Tereza Cruvinel – Presidente da Empresa Brasileira de Comunicação – EBC

Sexta, 23 de abril – 14:00 h

Mesa 9 – Regulamentação do ensino privado

  • Aparecida Tiradentes - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino - CONTEE
  • Julio César da Silva – Reitor da UNIG e Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior - ABMES

Mesa 10 – Política cultural para um projeto de país

  • Célio Turino – Idealizador do Programa Cultura Viva
  • Afonso Luz – Diretor de monitoramento em políticas culturais do Ministro da Cultura
  • Ana Luisa Soares da Silva – Secretária de Cultura da cidade do Rio de Janeiro
  • Teatro Mágico

Mesa 11 – Ciência, tecnologia e inovação para um Brasil soberano

· João Torres de Mello Neto – Secretário adjunto da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC/RJ

· Elizangela Lizardo – Presidente da Associação Nacional dos Pós Graduandos - ANPG

Mesa 12 – Avanços para o sistema único de saúde

  • Pablo Vasquez Queimadelos – Presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro

Mesa 13 – A década do esporte: o legado dos macro eventos esportivos no Brasil / Conferência Livre a CNE

  • Sérgio Ferreira Tavares – Coordenador técnico das Vilas Olímpicas

Mesa 14 – Sustentabilidade ambiental e gestão de recursos Naturais no Brasil

  • João Capiberibe – Ex-senador da República
  • Emanuel Cansella –Coordenador Geral do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro – SindPetro/RJ
  • Robson Leite – Presidência da Petrobrás Biodiesel

Sábado, 24 de abril – 10:00 h

Mesa 15 – Um projeto nacional de desenvolvimento popular, democrático e soberano para o Brasil

  • Emir Sader – Pesquisador do Laboratório de Políticas Públicas da UERJ
  • Pedro Paulo Vieira de Carvalho – Intersindical
  • Sônia Coelho – Marcha Mundial de Mulheres
  • Wagner Gomes – Presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB

Sábado, 24 de abril – 14:00 h

Mesa 16 – Reforma política, democracia e protagonismo popular

  • José Eduardo Dutra - Presidente do Partido dos Trabalhadores - PT

Mesa 17 – Reforma agrária e reforma urbana

  • Antonio Neto – Movimento dos Trabalhadores Sem Terra - MST
  • Bismarque Sousa – Movimento Nacional de Luta Pela Moradia - MNLM
  • Bartiria Lima da Costa – Presidente da Confederação Nacional das Associocoes de Moradores - CONAM

Mesa 18 – Política de segurança pública

  • Rubens Roberto Rebello Casara – Conselheiro da Associação dos Juízes pela Democracia
  • Orlando Zacconni - Delegado da Polícia Civil do Rio de Janeiro
  • João Cláudio – Federação das Associações de Moradores de Favelas do Rio de Janeiro – FAFERJ
  • Cláudio Pereira de Souza Neto – Conselheiro Federal da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB

Mesa 19 – Juventude, educação e trabalho

  • Danilo Moreira – Conselho Nacional de Juventude - CNJ
  • Jorge Abrahão – Diretor de Políticas Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Domingo, 25 de abril – 10:00 h

Plenária Final

Local: Terreno da UNE na Praia do Flamengo - 132

58º. CONEG da UNE

Data: A partir de 22/04/10

End.: Bloco A do Centro de Tecnologia da UFRJ

CT da UFRJ /Ilha do Fundão

Av. Athos da Silveira Ramos 149 - Bloco A - 2º andar

Confira no mapa

Plenária Final do 58º CONEG da UNE

Data: 25/04/10

Local: Praia do Flamengo, 132.

21 de abr de 2010

1ª Reunião de Diretoria Plena da UEE-SP em vídeo

Confira o primeiro vídeo produzido pela Diretoria de Comunicação da UEE-SP:

Vem aí o 58º CONEG da UNE, no RJ

58° Conselho Nacional de Entidades Gerais da UNE reunirá mais de 500 estudantes na UFRJ entre os dias 22 a 25 de abril; objetivo é discutir propostas políticas da entidade diante da disputa do mês de outubro.

Entre os dias 22 a 25 de abril (quinta a domingo), mais de 500 lideranças estudantis de todo o Brasil estarão reunidas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) para discutir e elaborar uma plataforma política a ser apresentada ao conjunto da sociedade. Trata-se do 58° Conselho Nacional de Entidades Gerais da União Nacional dos Estudantes, o CONEG da UNE, um dos principais fóruns de discussão do movimento estudantil brasileiro.

As atividades serão concentradas no Centro Tecnológico da UFRJ, no Fundão. A mesa de abertura será na quinta-feira, dia 22, às 10h, com a participação de autoridades políticas e representantes de entidades do movimento social. A plenária final – quando serão votadas e deliberadas pelos estudantes as principais propostas – será realizada no Terreno da UNE, na Praia do Flamengo-132, histórico espaço onde funcionou a sede da entidade até ser incendiada e demolida pelo regime ditatorial militar, em 1964. Na ocasião, estará exposta a maquete do arquiteto Oscar Niemeyer para o novo prédio que será construído no local.



58º CONEG da UNE
Data: A partir de 22/04/10
End.: Bloco A do Centro de Tecnologia da UFRJ
CT da UFRJ /Ilha do Fundão
Av. Athos da Silveira Ramos 149 - Bloco A - 2º andar
Confira no mapa



Plenária Final do 58º CONEG da UNE
Data: 25/04/10
Local: Praia do Flamengo, 132.